João Preto: uma vida dedicada ao futebol

 João Preto: uma vida dedicada ao futebol
Digiqole Ad

Torcedor do Santos Futebol Clube, João Preto, que já foi jogador de futebol, sonha proporcionar diversão e esportes aos moradores do Distrito de Laranjeiras, em Colômbia (SP). Aos 64 anos de idade, divide os afazeres do dia-a-dia entre cuidar da limpeza do distrito, treinar e descobrir novos craques no futebol.

Nascido João Batista Alves, atuou em diversos times como Adolfo Pinto, Alegria, Colômbia, Planura e Laranjeiras na posição de ponta esquerda. Conta que ganhou o apelido de João Preto ainda criança, quando jogava no Rio Velho.

Dentre os campeonatos mais importantes que participou, João Preto fala com orgulho de Colômbia, quando jogava no Beira Rio junto com o Pelezinho. O campeonato mais difícil foi o Três Rios, onde a equipe podia inscrever somente atletas do mesmo município. Apesar do regulamento o seu time ficou em terceiro lugar. “Disputamos jogos em São Paulo e Minas Gerais. Na época joguei com o Marreco, antes dele se profissionalizar e ir para o São Paulo e posteriormente para o México. A gente jogava nos campos de terra em Adolfo Pinto, Santa Joaquina, Lagoinha e Alberto Moreira.” – recorda João Preto da época que a Liga Barretense de Futebol promovia os campeonatos rurais.

“Nós íamos para o jogo de bicicleta ou em cima de caminhão. Nessa época a gente jogava até descalço porque a gente gostava.” – conta ele lembrando ainda que pagava a lavagem das camisas. João Preto destaca que hoje é necessário adular o jogador para participar dos campeonatos, pagar cerveja e dar camisetas e chuteiras. “Se não tiver dinheiro, ninguém joga.” – enfatiza.

Aos 45 anos de idade, João Preto parou de jogar por conta de torção no joelho quando apitava um jogo. Mas ainda reserva tempo na sua paixão para treinar a juventude e descobrir novos talentos. “Há pouco tempo levei uns 40 moleques para fazer teste em Marcondésia, numa peneira do Cruzeiro.” – conta ele, recordando de seu irmão Luís Preto, que foi descoberto em Laranjeiras e levado para a Ponte Preta.


Confusão

João Preto conta que viu muitas confusões nos campeonatos no qual participou. Ele se recorda do jogo entre os times de Prata e Alegria, no Distrito do Prata. O time da casa vencia por 2×1, quando próximo do final, Alegria empatou em 2×2. “Virou pancadaria, com bambu, pau e faca.” – recorda. Mas garante que na vida nunca bateu nem apanhou. “Ganhei medalha de disciplina no Rural de Barretos, porque não levei nenhum cartão.” – destaca.

Sonho

Atualmente funcionário público municipal, ele conta que cuida dos campos de futebol, da limpeza e manutenção do distrito. Sonha em promover competições em Laranjeiras. Para João Preto, a diversão do distrito é o futebol, pois o local é parado nos finais de semana. “A população cobra pela volta dos campeonatos que sempre trouxe alegria e movimentou o povoado”. Tivemos prefeitos que gostavam de esporte como José Salvador Martins e Júrio Maibashi.” – destaca ele, esperançoso que o próximo prefeito invista no setor. 

Digiqole Ad

Redação

Relacionado

Deixe um comentário

Ops, você não pode copiar isto!