Programa de monitoramento de mamíferos identifica mais de 60 espécies no Estado de SP

 Programa de monitoramento de mamíferos identifica mais de 60 espécies no Estado de SP

Com 400 armadilhas fotográficas e análise automática das imagens e dados, programa permite determinar padrões ecológicos e subsidiar ações de preservação.

Digiqole Ad

Um programa de monitoramento de mamíferos terrestres de médio e grande porte desenvolvido pela Secretaria de Meio Ambiente, Infraestrutura e Logística (Semil) do Estado de São Paulo já identificou mais de 60 espécies de mamíferos em mais de 30 mil registros. Entre os animais identificados estão a onça-pintada, o veado-mateiro, o tapiti, a anta, o mico-leão-preto, o muriqui-do-sul e o bugio-preto.

O programa atua em 26 Unidades de Conservação (UCs) de proteção integral, cobrindo uma área total de mais de 650 mil hectares. Para capturar as imagens da fauna local, o programa utiliza 400 armadilhas fotográficas estrategicamente instaladas. A plataforma de inteligência artificial Wildlife Insights é utilizada para analisar automaticamente os dados e as imagens coletadas, acelerando o processo de categorização e permitindo aos pesquisadores e gestores de UCs acessarem as informações em tempo real.

Os dados coletados pelo programa são utilizados para monitorar populações de mamíferos e tomar decisões para a conservação da biodiversidade. O subsecretário de Meio Ambiente, Jônatas Trindade, afirma que as UCs são fundamentais para a preservação da biodiversidade e dos recursos naturais. “Por meio do monitoramento da fauna também é possível observar se essas áreas estão cumprindo seu objetivo de conservação”, diz.

Além de identificar espécies ameaçadas de extinção, o programa também tem como objetivo capacitar pessoas para atuar na conservação da fauna. Até o momento, 335 pessoas foram capacitadas, 150 das quais participam do monitoramento e da coleta de dados.

Digiqole Ad

Guilherme Aparecido

Relacionado

Deixe um comentário

Ops, você não pode copiar isto!