A octogenária atriz que morou na Vila Rios e no centro de Barretos

 A octogenária atriz que morou na Vila Rios e no centro de Barretos
Digiqole ad

A mineirinha Alexandrina Araújo Sanches nasceu em Luz (MG). Filha do casal Altamiro Leite de Araújo e Maria Messias. Mais duas irmãs completaram a família: Alcina Bazzo e Odorica Leite.  

Depois de um certo tempo, ela veio para Barretos, onde passou a maior parte de sua vida. Casou-se com Luís Sanches. Teve apenas uma única filha, Mara Silvia, que lhe deu 3 netas: Maira, Sara e Tayra.

— “Morei na Vila Rios e em frente ao prédio do INSS.” – contou.

Depois ela foi para Ribeirão Preto (SP) e Campinas (SP), onde reside desde 1980.

— “Mudei pra Campinas porque minha filha veio para esta cidade para estudar. Eu resolvi acompanhá-la com a intenção de lhe dar apoio.” – justificou.

Mas os laços familiares continuaram em Barretos.

— “A maioria dos meus familiares mora no bairro Pedro Cavalini.” – lembrou.

A certa altura da vida resolveu se dedicar ao mundo das artes.

Fez curso de argila na UNICAMP (Universidade de Campinas) com a professora japonesa Akiko Fujita, que esteve no Brasil. Depois, se interessou por teatro e em 1983 fez curso de extensão universitária com o professor Adilson Barros e com o ator Paulo Betti. Em 1996, foi aluna de Antunes Filho no Centro de Pesquisas Teatrais. De 2004 a 2008 foi ouvinte em cursos no Instituto de Arte na mesma universidade.

Exímia bordadeira e aspirante a pianista, a veia artística estava sempre presente em sua vida. As somas de todos os talentos contribuíram para sua dedicação ao teatro e ao cinema.

A “mineira barretense” adotou o nome artístico de Alexandra Sanches. No teatro, atuou em inúmeras montagens, como “O Capeta de Caruaru”, com direção de Adilson Barros; “Calabar”, com direção de Tom Crivelaro; “Quando Tudo Acontece na Segunda-Feira”, entre tantas peças.

Ao se envolver no meio artístico, Alexandra Sanches fez inúmeros contatos, que lhe renderam quatro filmes. Em “Anões do Jardim”, interpretou “Catarina”, uma mulher que é entrevistada por acreditar em anões. “Idalina”, uma senhora que faz tricô enquanto acompanha o neto em partidas de futebol foi a sua personagem no curta “Tiro Livre Direto”.

Foi protagonista em “Aurora”, curta que conta a história de uma senhora de muita idade que espera o filho aparecer para então poder sumir de vista. Deitada, três dias sem comer, sem poder levantar do chão, Aurora o espera para poder lhe revelar o maior momento de sua vida. 


Alexandra Sanches protagonizou Aurora no cinema.

–“Fui achada na internet pelo Eduard Cardoso, que contatou com uma neta minha e depois me convidou para interpretar a personagem principal de Aurora.” – revelou.

O curta-metragem Aurora dirigido por Roney Freitas foi destaque em mostras de cinema realizadas em São Paulo, Belo Horizonte (MG), São Luís (MA) , Los Angeles (EUA) e Paris (França). Custou por volta de R$ 98 mil. E nunca foi exibido em Barretos.

A atriz também gravou em 2011 “Desalmados: Aleluia, Salvação e Glória”, onde interpretou “Assunta”, uma senhora muito religiosa e que descobre uma santa que começou a aparecer na sua casa.

Alexandra Sanches se sente realizada como pessoa e atriz. Disse que sempre foi muito incentivada pelos familiares e amigos.

Aos 82 anos, ela revelou um sonho:

–“Quero gravar um longa-metragem para melhor mostrar minhas habilidades de atriz”.

Atualmente, aos 88 anos, Alexandra Sanches se recupera de um AVC em Campinas (SP).


Digiqole ad
Redação

Redação

Notícias Relacionadas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *