29 de Julho de 2017 às 08:16Aquino José

O benzedor “seo” Sebastião atraía sofredores em busca de cura na Vila Marília


Sebastião Ferreira da Silva na capelinha que atendia os aflitos. (Aquino José)

O trabalhador rural aposentado Sebastião Ferreira da Silva, analfabeto, casado, pai de 3 filhos e muitos netos e bisnetos, era muito procurado na Vila Marília por uma legião de pobres e ricos. A multidão estava à procura de bênçãos, operações invisíveis, curas, lenitivos para suas dores.

“Seo” Sebastião iniciou sua obra quando tinha 14 anos. Contou que viu uma luz “inexplicável” quando morava na fazenda Córrego Limpo, no município de Água Doce, hoje, Icem. Então, começou a curar. Primeiramente, animais domésticos. Depois, gente. Uma menina de 5 anos foi a primeira a ter a saúde restaurada.

Quando morava numa fazenda em Guaíra ele ficou cego. Tinha 17 anos. A madrasta passou a enxotá-lo. Expulso de casa, veio para Barretos. Passou a vier de esmolas e da caridade do ex-patrão de seu pai, que o levou para tratamento médico em Campinas. Ao retornar, morou durante 18 anos numa fazenda nas proximidades do Ibitu.


A morte da santinha

Um dos episódios que marcou a vida do benzedor foi a morte de Maria Aparecida Conceição, a “santinha do Ibitu”. Ela assassinada pelo padrasto em 1942. O corpo da jovem foi trasladado para Barretos num caminhão. Na capela do cemitério municipal, ficou à espera do legista. Muitos curiosos se aglomeravam para ver o cadáver.

Segundo Sebastião Ferreira da Silva o sangue continuava a pingar do corpo da jovem, sem talhar. Contou que quando o médico chegou, não quis retirar a faca que ainda estava cravada no cadáver, pedindo que o assassino fosse trazido para efetuar tal operação.

-- Quando tiraram a algema de um dos pulsos do criminoso, o sangue jorrou do corpo da moça...., relatou Sebastião Ferreira da Silva.

-- Ele deu a volta em torno da pedra e, de cabeça baixa, puxou a faca. O sangue correu na lâmina. Então, o delegado mandou retirá-lo rapidamente do local...., descreveu.

Recordou que Maria Aparecida foi enterrada com vestido branco, num caixão também branco. Um fato impressionou profundamente Sebastião Ferreira da Silva:

-- Quando peguei a morta para colocá-la no caixão, ela abriu os olhos e a boca. Parecia que queria dizer alguma coisa. Então eu disse: “pode falar”. Mas a moça não disse nada. Porém. Sua expressão me marcou para sempre.


Sertanejo nato

“Seo” Sebastião ficou viúvo e casou-se pela segunda vez. Apreciador da música sertaneja, em 1964, formou a dupla Lino e Lauro. Cantava em programas dominicais da Rádio Piratininga. Por muito tempo tocou gaita e cavaquinho. Era assíduo ouvinte do programa do “Cumpadi” Pioneiro, na Rádio Barretos.


A igrejinha

Com donativos de populares, o benzedor construiu uma “igrejinha” ao lado de sua residência, na avenida 57, entre ruas 40 e 42, na Vila Marília. Ali realizava os seus trabalhos espirituais. O pequeno templo foi inaugurado no dia 29 de junho de 1987. Em 1988, ele atendia diariamente uma média de 80 pessoas. A acolhida acontecia das 8 às 12 e das 14 às 18 horas. Distribuía um sistema de senha para controlar a fila de entrada em virtude da alta frequência no local.

Nas paredes e no teto de seu “santuário” foi pintado um céu azul com inúmeras estrelas. No ambiente, havia imagens de santos, crucifixos e bíblia. Tinha também um caderno onde as pessoas registravam testemunhos de curas diversas. Ele calculava em fevereiro de 1988 que as anotações ultrapassavam duas mil transcrições.


As curas

Entre os registros, havia no início de 1988, o testemunho de uma senhora casada de Presidente Prudente. Escreveu que há 5 anos tinha câncer no colo do útero e nas trompas. Estava desenganada pelos médicos. Grávida, submeteu-se a operação cesariana no 7º mês de gestação. Os médicos tentavam salvar a criança que já estaria doente. Num ato de desesperado de salvação, ela foi levada para receber as orações do “seo” Sebastião. Após a benção, mãe e filha foram curadas. Segundo depoimento da mulher na época, os médicos do Hospital São Judas não conseguiram mais constatar a doença.

Durante 35 anos, Sebastião Ferreira da Silva trabalhou em centros kardecistas de Barretos. Ele não se considerava espírita, mas espiritualista. Dizia que seguia a bíblia e respeitava todas as religiões. Esclarecia que não era um “milagreiro”. Atribuía as curas à força do Espírito Santo e a fé das pessoas.

Para alguns curiosos, mostrava várias agulhas, cabelos, linhas, arame e outros objetos que, segundo ele, havia retirado de pessoas possuídas pelas “obras diabólicas”. Alegava seguir orientação da “voz que recebia” e por isso não cobrava pelos seus trabalhos. Garantia repartir as doações com as pessoas carentes. “Nunca pedi nada a ninguém”, disse.


Missão cumprida

A missão de Sebastião Ferreira da Silva nesta terra já terminou. Ele faleceu há alguns anos, mas vive na memória de muita gente.

Publicidade

Fale com a gente pelo e-mail

contato@jornalosertanejo.com.br
Participe com sugestões, dicas, comentários e denúncias.

Enquete

Resultados

Podcasts

Publicidade
Publicidade