11 de Maio de 2020 às 21:38

Números da Covid-19 em Barretos traçam perfil da doença


Um levantamento realizado pela Prefeitura de Barretos, com números analisados por técnicos da Secretaria Municipal de Saúde, fornece algumas informações importantes sobre a Covid 19 na cidade. Uma das conclusões é de que a maioria dos pacientes de Barretos e região que foram internados no Município com sintomas da doença, 75% tinham como comorbidade anterior a Hipertensão e outras cardiopatias.

O levantamento dos casos por região da Cidade apontou que o Centro é o local em que houve mais incidência de casos. Entre os 108 registros confirmados da Covid-19 até o dia 7 de maio, 13 eram em moradores do Centro da cidade, oito do Bairro América, cinco do City Barretos e cinco do Ibirapuera. Outros 15 bairros apresentam, pelo menos, dois casos confirmados da pandemia. Os outros 38 casos são de moradores de outras localidades espalhados pela cidade, que apresentavam um único caso por bairro até o momento da análise.


Barretos tem uma ocupação de leitos de UTI ainda muito privilegiada em relação ao resto do Estado. Na cidade, a ocupação média entre 1º de abril e 7 de maio, passou pouco dos 20% de leitos disponíveis Já em relação a internação na Enfermaria, o número de ocupação sobe para mais de 50% no pico do mesmo período.

Outro dado importante é que as internações motivadas por SRAG (Síndrome Respiratória Aguda Grave) na cidade subiram de 2019 para 2020 em 2.120%, um número que chama a atenção. Em abril de 2019 foram registradas cinco pessoas internadas na rede pública de saúde com a Síndrome. Já em 2020, no mesmo mês, o número subiu para 106 registros.

Segundo o secretário municipal de Saúde de Barretos, Alexander Stafy Franco, os números analisados mostram que a transmissão do Covid-19 está ocorrendo de forma comunitária, ou seja, está em todas as áreas do município. “A rede de assistência está muito bem organizada e articulada, desde a atenção básica, até o serviço de alta complexidade, Hospital Nossa Senhora. Observa-se um aumento absurdo de internações por síndrome respiratória aguda grave.” - chama a atenção o secretário.

“Reforçamos que as pessoas mantenham a higienização das mãos e rosto e se esforcem, ao máximo, na continuidade do distanciamento social, e se tiver que sair, apenas na extrema necessidade. Quando for preciso o façam com a utilização de máscaras.” - lembra Alexander.

Publicidade

Fale com a gente pelo e-mail

contato@jornalosertanejo.com.br
Participe com sugestões, dicas, comentários e denúncias.

Enquete

Resultados

Podcasts

Publicidade
Publicidade