31 de Outubro de 2018 às 18:32

Reconstrução mamária garante autoestima para mulheres


Especialista Idam de Oliveira Jr. realça que cirurgia valoriza amor-próprio das mulheres. (Foto: Aquino José/ Seven Press)

Quem já passou por um câncer de mama sabe como é difícil ter que lidar com algumas mudanças na aparência provocada pela doença, mas é possível reverter o problema. O médico mastologista Idam de Oliveira Jr, especialista em reconstrução de mama do Hospital de Amor, aponta como o procedimento influencia na autoestima das mulheres e esclarece como ele é feito. 

O câncer de mama é uma doença que mexe muito com a dignidade das mulheres, podendo desenvolver um quadro de depressão, principalmente quando é necessário passar pela mastectomia, procedimento médico que faz a remoção completa da mama. "A reconstrução da mama traz como benefício a recuperação da autoestima, fazendo as mulheres se sentirem mais femininas, diminuindo a visão de mutilação que tinham ao se olhar no espelho." - destaca Idam. Historicamente, a mama além de ser um órgão materno é também da feminilidade. No entanto, de acordo com a Sociedade Brasileira de Mastologia a realidade da reconstrução mamária no Brasil é muito triste. 

A reconstrução da mama é um procedimento físico e emocionalmente gratificante para uma mulher que perdeu a mama devido ao câncer ou a outra situação. De acordo com o médico mastologista, Idam de Oliveira Jr, especialista em reconstrução de mama do Hospital de Amor, em 90% dos casos é possível que a reconstrução seja feita na mesma cirurgia que a retirada das mamas. Porém "em alguns casos não podemos fazer isso como quando se tem necessidade de fazer radioterapia; ou quando retira uma grande quantidade de pele; ou o tumor está avançado."

"A reconstrução da mama traz como benefício a recuperação da autoestima, fazendo as mulheres se sentirem mais femininas, diminuindo a visão de mutilação que tinham ao se olhar no espelho." - destaca o médico. A mastectomia é a remoção completa da mama e se dá através de cirurgias reparadoras: a que preserva a pele, ou a pele e o mamilo; sendo utilizadas a prótese de silicone ou prótese expansora, bem como o músculo das costas ou a gordura do abdômen.

A reconstrução tardia se dá após o término do tratamento de quimio e radioterapia e acontece geralmente após um ano da cirurgia de mastectomia.


Lei e realidade

As cirurgias de reconstrução no Brasil são muito baixas. Levantamento da SBM (Sociedade Brasileira de Mastologia) revela que em 2013, por exemplo, foram feitas 11.900 mastectomias e reconstruídas apenas 3400. A Lei 12.802/2013, obriga o SUS (Sistema Único de Saúde) a fazer a cirurgia plástica reparadora da mama logo em seguida à retirada do câncer. "A realidade da reconstrução mamária no Brasil é muito triste, tendo poucas reconstruções." - aponta Idam. 

A reportagem apurou que a falta de infraestrutura dos Estados demonstra que há muitas barreiras para acesso à reconstrução pós-mastectomia no Brasil. No entanto, Idam ressalta que no Hospital de Amor todas as pacientes mastectomizadas realizam a cirurgia de reconstrução imediata ou tardia.

Fonte: Igor Sorente/ Seven Press

Publicidade

Fale com a gente pelo e-mail

contato@jornalosertanejo.com.br
Participe com sugestões, dicas, comentários e denúncias.

Enquete

Resultados

Podcasts

Publicidade
Publicidade