04 de Setembro de 2018 às 18:19

Produção orgânica cresce e agricultores buscam certificação


Agricultor Rafael Garcia espera certificação para abertura de mercado. (Fonte: Aquino José/ Seven Press)

A partir da vontade de plantar sem agrotóxicos para preservar a saúde e o bem-estar da população, produtores da região estão buscando viabilizar a certificação da produção de orgânicos. “Estou tentando obter o OCS [Organizações de Controle Social] para vender no município.” – revela o agricultor Rafael Garcia do Sítio Paraíso. 

A OCS poderá ser constituída a partir de um grupo informal de produtores ou envolver uma entidade, como associação ou cooperativa. Deve estar ativo, possuir formas de controle e registro de informações que sejam capazes de assegurar a qualidade orgânica dos produtos e identificar claramente que produtor é responsável por cada produto.

“Consegui um selo de produção orgânica junto ao Instituto Anonna de Agricultura Sustentável de Itápolis (SP), o que me garante a venda de produtos em todo o país.” – revela Rafael. Desde que começou com a agricultura orgânica, Rafael buscou os consumidores no boca a boca. “Tenho 30 clientes fieis com venda direta. Forneço para as duas lojas do Empório do Grão e também para alguns pequenos mercados e sacolões.” – frisa. Rafael revela que quer expandir a produção, mas precisa da demanda. “Tenho potencial e área para plantar.”

Rafael sente dificuldades de acesso ao mercado no município, pois não há nenhuma cooperativa ou associação que o apoie. Espera que com a criação da OCS consiga abrir o mercado junto com outros produtores. 


Reconhecimento

Segundo o diretor técnico regional da CATI (Coordenadoria de Assistência Integral), Rolando Salomão, o governo apoia na forma de orientação. “Neste momento estamos desenvolvendo o reconhecimento da comercialização. É um cadastro junto ao Ministério da Agricultura que vai gerar um certificado.” – frisa. 

Rolando aponta que Barretos possui três propriedades com produção de orgânicos, além de uma em Guaíra e outras duas entre Guaraci e Barretos. “O predomínio é de mão-de-obra familiar, exceto uma em Guaraci que tem funcionários.” A produção geral é de hortaliças. 

Com o planejamento da produção e utilização de técnicas agrícolas voltadas à preservação dos recursos naturais, o Sítio Paraíso tem se tornado referência no segmento da agricultura orgânica.

Fonte: Igor Sorente e Aquino José/ Seven Press

Publicidade

Fale com a gente pelo e-mail

contato@jornalosertanejo.com.br
Participe com sugestões, dicas, comentários e denúncias.

Enquete

Resultados

Podcasts

Publicidade
Publicidade