08 de Agosto de 2018 às 12:15

Associação de produtores orgânicos apoia sem-terra acampados em Barretos


Professor Celso Ferreira da Silva mostra atividades do acampamento sem-terra. (Foto: Aquino José / Seven Press)

A Associação dos Produtores Orgânicos Nova Vida montou subsede no Acampamento Dona Zulmira Gonçalves, instalado às margens da Vicinal Luiz Donato, na região das Contendas, zona rural de Barretos. A entidade apoia os sem-terra da Frente Nacional de Lutas, que aguardam desapropriação para fins de reforma agrária da Fazenda Santa Avoia 2.

A expectativa das 128 famílias cadastradas pelo movimento é que a imissão de posse da terra saia até setembro. Cada família espera receber 3,8 alqueires para a concretização do sonho de promover uma agricultura familiar e orgânica.

No acampamento, a Associação desenvolve trabalhos de artesanato, principalmente tapetes, e produção de sabão artesanal com um grupo de mulheres. Há ainda o propósito de produzir artesanato de bambu, taboca, taboa, entre outros. Inscritos na subsede estão 30 associados.

Segundo o coordenador da Associação, Celso Ferreira da Silva, mais conhecido como “Professor”, o objetivo da entidade é desenvolver a economia solidária. Para tanto, busca parcerias com o IFSP (Instituto Federal São Paulo) e com a CATI (Coordenadoria de Assistência Técnica Integral) através da Casa da Agricultura de Barretos. A proposta é aprender técnicas para um bom plantio orgânico, livre dos pesticidas.


Barraco dos produtores orgânicos Nova Vida, as margens da vicinal Luiz Donato. (Foto: Aquino José/ Seven Press)

A meta ainda é gerar emprego e renda através do artesanato com a formação de núcleos, explicou o “Professor”.  A ideia é expandir o negócio com a produção de farinha de mandioca, queijo artesanal, leguminosas, suinocultura e criação de biodigestores.

De acordo com o “Professor”, a Associação pretende estimular a criação de bancas em diversos pontos da cidade e reivindicar um espaço no Mercadão Municipal, visando a comercialização da produção. “Nosso objetivo também é segurar o jovem na terra.” - afirmou.


A entidade

A Associação dos Produtores Orgânicos Nova Vida começou suas atividades em fevereiro de 2005. A entidade adquiriu 12,5 hectares no distrito de Laranjeiras, em Colômbia (SP), através do antigo Banco da Terra. O financiamento veio através do Banco Mundial. O valor do negócio foi R$ 200 mil. Foram assentadas cinco famílias na área. Elas plantam colorau, bucha, palmito pupunha, limão, entre outros produtos. Todas as propriedades têm luz elétrica e poço artesiano. 

Fonte: Aquino José/ Seven Press

Publicidade

Fale com a gente pelo e-mail

contato@jornalosertanejo.com.br
Participe com sugestões, dicas, comentários e denúncias.

Enquete

Resultados

Podcasts

Publicidade
Publicidade